terça-feira, 29 de abril de 2014

A mensagem do Bismarck Maia. Centro de Eventos do Ceará sediará BRICS

 
BRICS: Seminário preparatório acontece nesta terça-feira (29) na Unifor
Foi realizado nesta segunda feira (28) uma reunião com os Embaixadores no Brasil, da Rússia, China, Índia, África do Sul e o nosso Itamaraty, respectivamente Serguey Akopov, Li Jinzhang, Ashok Tomar, Mphakama Mbete e Min Luiz Henrique Sobreira, objetivando a organização do evento BRICS que aqui se realizará, em Julho, pela força política do Governador Cid Gomes e por ter construído o Centro de Eventos.

"Ficaram todos bem impressionados com o espaço. Depois de nos consolidarmos no mercado nacional, do grande investimento em infraestruturas, este evento, a Copa do Mundo e os novos voos Internacionais, consolidarão de vez e por muito tempo o Nosso Ceara como um grande destino Internacional. É assim que se faz um Novo Ceará". Disse Bismarck Maia
CONTINUE LENDO E SAIBA MAIS SOBRE O SEMINÁRIO "BRICS" NO CEARÁ
BRICS: Seminário preparatório acontece nesta terça-feira (29) na Unifor

O Governo do Estado do Ceará, o Ministério das Relações Exteriores, a Fundação Alexandre de Gusmão e a Universidade de Fortaleza (Unifor) realizam na próxima terça-feira (29) o seminário preparatório para a VI Conferência de Cúpula do BRICS, que acontecerá no mês de julho no Centro de Eventos do Ceará (CEC). A abertura do evento será no Auditório da Biblioteca Central, da Unifor, das 09 horas as 18 horas, com transmissão para os Auditórios A1 e A4, e será feita pelo governador Cid Gomes.

O seminário terá as presenças de representantes dos países que compõem o BRICS - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul -, bem como de acadêmicos e intelectuais vinculados à área de relações internacionais.

Os cinco países que integram o BRICS consolidam-se como atores internacionais de crescente relevo, tanto no plano politico como na área econômico-financeira. Além de definirem mais de 30 áreas de cooperação entre si, os BRICS coordenam atualmente suas posições nas Nações Unidas, no G-20, no Banco Mundial e no FMI, aumentando, em função disso, a sua importância nesses foros. Todos os países do BRICS sediaram pelo menos uma Cúpula. Os encontros precedentes foram realizados em Ecaterimburgo, Rússia (2009); Brasília (2010); Sanya, China (2011); Nova Délhi, Índia (2012) e Durban, África do Sul (2013). E, em 2014, será em Fortaleza.

BRICS

A ideia do BRICS foi formulada pelo economista-chefe da Goldman Sachs, Jim O´Neil, em estudo de 2001, intitulado “Building Better Global Economic BRICs”. Fixou-se como categoria da análise nos meios econômico-financeiros, empresariais, acadêmicos e de comunicação. Em 2006, o conceito deu origem a um agrupamento, propriamente dito, incorporado à política externa de Brasil, Rússia, Índia e China. Em 2011, por ocasião da III Cúpula, a África do Sul passou a fazer parte do agrupamento, que adotou a sigla BRICS.

O peso econômico dos BRICS é certamente considerável. Entre 2003 e 2007, o crescimento dos quatro países representou 65% da expansão do PIB mundial. Em paridade de poder de compra, o PIB dos BRICS já supera hoje o dos EUA ou o da União Europeia. Para dar uma ideia do ritmo de crescimento desses países, em 2003 os BRICs respondiam por 9% do PIB mundial, e, em 2009, esse valor aumentou para 14%. Em 2010, o PIB conjunto dos cinco países (incluindo a África do Sul), totalizou US$ 11 trilhões, ou 18% da economia mundial. Considerando o PIB pela paridade de poder de compra, esse índice é ainda maior: US$ 19 trilhões, ou 25%.

Até 2006, os BRICs não estavam reunidos em mecanismo que permitisse a articulação entre eles. O conceito expressava a existência de quatro países que individualmente tinham características que lhes permitiam ser considerados em conjunto, mas não como um mecanismo. Isso mudou a partir da Reunião de Chanceleres dos quatro países organizada à margem da 61ª. Assembleia Geral das Nações Unidas, em 23 de setembro de 2006. Este constituiu o primeiro passo para que Brasil, Rússia, Índia e China começassem a trabalhar coletivamente. Pode-se dizer que, então, em paralelo ao conceito “BRICs” passou a existir um grupo que passava a atuar no cenário internacional, o BRIC. Em 2011, após o ingresso da África do Sul, o mecanismo tornou-se o BRICS (com "s" maiúsculo ao final).

Como agrupamento, o BRICS tem um caráter informal. Não tem um documento constitutivo, não funciona com um secretariado fixo nem tem fundos destinados a financiar qualquer de suas atividades. Em última análise, o que sustenta o mecanismo é a vontade política de seus membros. Ainda assim, o BRICS tem um grau de institucionalização que se vai definindo, à medida que os cinco países intensificam sua interação.


Fonte: Governo do Estado do Ceará

Nenhum comentário:

Postar um comentário