terça-feira, 6 de maio de 2014

ARACATI. Profissionais da saúde levam à praça orientações para uso racional de medicamentos

Nesta segunda-feira (05/05), Dia Nacional de Promoção do Uso Racional de Medicamentos, O Governo Municipal de Aracati através da Secretaria da Saúde, em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado promoveu uma mobilização através dos profissionais de saúde e sob orientação da farmacêutica, Mércia Monteiro, trabalhando informações e orientações a população sobre o uso correto e seguro de medicamentos e alertando sobre os problemas causados pela automedicação. As atividades aconteceram das 08h às 12h, na Praça São Marcelino Champagnat (Praça Marista). Além de informações sobre medicamentos, a população também contou com serviço de aferição da pressão arterial e de glicemia capilar, que identifica a diabetes.  LEIA MAIS
Dezenas de pessoas estiveram na Praça São Marcelino Champagnat, onde receberam orientações a respeito do uso de medicamentos de forma adequada e segundo a farmacêutica Mércia Monteiro, esse tipo de ação vai tornando a população mais cuidadosa com a manipulação da medicação e conhecendo os riscos do uso inadequado, toma as atitudes corretas para evitar danos à saúde. Mércia disse ainda que a campanha oportuniza ao profissional farmacêutico um contato mais direto com a população e qualifica o usuário de medicamento.  

A Campanha para Promoção do Uso Racional de Medicamentos, lançada em 2013 e de caráter permanente, realiza pela primeira vez mobilização junto à população neste dia 5 de maio. Em todo o Ceará, 106 municípios aderiram à campanha de conscientização sobre o uso adequado de medicamentos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), entende-se que há uso racional de medicamento quando pacientes recebem medicamentos para suas condições clínicas, em doses adequadas as suas necessidades individuais, por um período adequado e ao menor custo para si e para a comunidade. O uso racional é indicado por prescrição médica, segura, efetiva, a partir de um diagnóstico preciso, resultando em menor risco de aparecimento de efeitos adversos.

No Brasil, como em outros países, os medicamentos se apresentam como o principal agente causador de intoxicações em seres humanos. Em 2011, eles responderam por 29,5% de todos os casos notificados pelo Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com registro de 29.179 casos. Em 2010, o SINITOX registrou 27.710 casos de intoxicação por medicamentos, 26,85% de todas as formas de intoxicação pro agentes tóxicos, com a confirmação de 73 óbitos, 16,59% do total. No mesmo ano, no Ceará foram registrados 321 casos e um óbito. Alguns sintomas de intoxicação medicamentosa incluem mudança brusca de comportamento, vômitos, diarreia, sudorese, sedação, tonteiras, palpitação e aumento excessivo da salivação.


O que pode acontecer se o paciente tomar medicamento sem prescrição médica


- Antibióticos – resistência bacteriana, que pode tornar mais complicado outros tratamentos.
- Vitamina C – distúrbios gastrointestinais, cálculo renal.
- Vitamina A – distúrbios neurológicos, hipertensão craniana.
- Analgésicos – lesão no estômago, sangramentos, hemorragias internas, em caso de dengue.

Recomendações para o uso racional e seguro de medicamentos

- Todo medicamento deve ter um registro do Ministério da Saúde. Caso não tenha, deve ser levado ao serviço local de vigilância sanitária.
- Não utilize medicamentos vencidos, nem embalagens velhas.
- Cápsulas não devem ser abertas. Comprimidos não devem ser partidos, apenas se o médico recomendar.
- Obedecer sempre os horários para ingestão indicados pelo médico na receita. A bula também indica a quantidade, quantas vezes ao dia e por quanto tempo deve ser utilizado.
- Não tirar os medicamentos da caixa e sempre guardar as bulas.
- Os medicamentos devem ser guardados longe da luz, umidade e do calor. Respeitar a temperatura de armazenamento.
- Caso verifique algum efeito adverso, deixe de tomar e relate ao profissional que lhe recomendou. Se possível relate o efeito adverso a um serviço de Farmacovigilância.
- Não guardar medicamentos em casa e nem se automedicar são procedimentos fundamentais para evitar problemas. Não se deve manter uma farmacinha em casa.

Fonte:
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Secretaria de Saúde – Governo do Estado do Ceará

Secretaria de Saúde – Governo Municipal de Aracati  

Nenhum comentário:

Postar um comentário