domingo, 11 de maio de 2014

Dragão do Mar será homenageado nesta segunda em Plenário

Estátua do ´Dragão do Mar' no centro cultural do mesmo nome, em Fortaleza
Francisco José do Nascimento nasceu no dia 15 de abril de 1839, em Canoa Quebrada, no Ceará. Era também conhecido por Chico da Matilde, em referência à sua mãe, a rendeira Matilde Maria da Conceição. Do jornalista e romancista Aluísio de Azevedo ganhou o apelido de Dragão do Mar. 

O centenário da morte desse pescador e prático, que foi um dos responsáveis pelo fato de o Ceará ter sido a primeira província do Brasil a abolir a escravidão, será lembrado em uma sessão especial do Senado, a partir das 11h desta segunda-feira (12). LEIA MAIS
'Dragão do Mar' navegava por dois mundos. Trabalhava no porto em uma função de chefia e era prático da Capitania dos Portos. Assim, do mesmo jeito que tinha grande contato com os jangadeiros e escravos, convivia com setores da elite e participava de ações abolicionistas. Esse movimento estava em alta no Ceará desde a metade do século 19, como contou o senador José Pimentel (PT-CE).

- Se nós resgatarmos a história do Ceará, vamos assistir a muitas festas, muitos leilões, muitas quermesses feitas pela Igreja Católica para obter fundos para comprar escravas grávidas e assim libertar a escrava e a criança.

Além disso, a economia escravagista no Ceará estava ancorada no tráfico entre as províncias brasileiras. A estratégia dos abolicionistas foi atrapalhar esse comércio. Um grupo de jangadeiros, liderado pelo Dragão do Mar, passou a impedir que os navios negreiros aportassem na costa do estado. Os bloqueios se repetiram até que em 25 de março de 1884 o presidente da província do Ceará, Manuel Sátiro de Oliveira Dias, declarou a abolição da escravatura no território.

Chico da Matilde morreu em março de 1914. De acordo com o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), ele é considerado o maior herói a favor da libertação dos escravos no Ceará.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Nenhum comentário:

Postar um comentário