quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Castanhão enfrenta seu momento mais crítico desde a construção

A água recuou da parede cerca de cinco metros; no local já é possível caminhar. Por: Manoel Martins / FOTO: ELLEN FREITAS

Limoeiro/Fortaleza. A imagem do maior reservatório hídrico de múltiplos usos do País, o Castanhão, impressiona durante seu momento mais crítico. O açude está com apenas 30% da capacidade, muito diferente de há cinco anos, quando atingiu 97,8% do potencial de armazenamento. Na área de comportas, é possível caminhar por dentro da represa, onde a água recuou da parede cerca de 150 metros. LEIA MAIS
Mesmo com a nítida imagem de esvaziamento acelerado, a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Estado (Cogerh) informou, por meio da assessoria de imprensa, que a situação do Castanhão não causa preocupação, já que o reservatório tem grandes dimensões e ainda possui muita água armazenada.

O Açude Castanhão é o maior reservatório do Ceará e o principal responsável pelo abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), além de manter a produção irrigada no perímetro irrigado Jaguaribe Apodi, no Vale do Jaguaribe.

As primeiras notícias do baixo volume do Castanhão foram destaque na mídia nacional, quando partes da antiga cidade de Jaguaribara, inundada para dar lugar ao reservatório, ficaram emersas, em março de 2013.

Ao longo deste ano o baixo volume do açude causou perdas na piscicultura, responsável por cerca de 50% da produção de tilápia do Ceará. Em julho deste ano novas áreas da Velha Jaguaribara reapareceram.

Para ler a matéria completa vá para o link  http://jaguarverdade.blogspot.com.br/2014/10/castanhao-enfrenta-seu-momento-mais.html 

Nenhum comentário:

Postar um comentário