sexta-feira, 17 de julho de 2015

Conflitos entre ABCQ e CoopBuggy causa tensão até mesmo a turistas em Canoa Quebrada

turistas impedidos de seguir
trajeto na praia foram à
USI registrar queixa por
cárcere privado
Devido acusações veiculados na imprensa de que alguém da CoopBuggy pagou uma quantia para matar Beto Andrade presidente da ABCQ, cooperados passaram a registrar em fotos e vídeos as perseguições e ocorrências na praia onde, associados da ABCQ estaria fazendo papel de polícia.  

As imagens chocam pelos bate-boca e até ameaças de agressão entre bugueiros, tudo registrado em frente a turistas que também aparecem nas imagens fotografando as lamentáveis cenas. LEIA MAIS  
Após adquirir o direito de prestar livremente o serviço de Passeio de Bugre na praia de Canoa Quebrada em Aracati, a CoopBuggy (Cooperativa de bugueiros) mesmo em posse de toda a documentação necessária para a prática do trabalho, inclusive com alvará da prefeitura autorizando a pratica da atividade de passeios de buggy, associados da cooperativa dizem estarem impedidos de trabalhar livremente.  “A ABCQ está fazendo papel de polícia sobre as dunas de Canoa Quebrada”, diz um dos associados ao flagrar em vídeo uma dessas ações ao afirmar, “Vocês estão sendo filmados e será entregue a doutora Virginia (MP)”.
Sem terem nada a ver com a disputa,
turistas passam constantemente por
situações de constrangimento 
Segundo membros da cooperativa que é representada pelo seu presidente Cristóvão Colombo, eles estão travando uma luta desigual para regularizar a atividade. “Desde que o presidente da Associação de Bugueiros de Canoa Quebrada declarou em meios de comunicação que registrou um B.O na delegacia de Aracati, porque teria sido ameaçado de morte sugerindo que seria por parte de membros da Cooperativa, passamos a registrar em vídeos e fotos ações absurdas onde os associados da ABCQ fazem de tudo, que vai de perseguições sobre dunas, insultos, ameaças e até a prática de cárcere privado conforme registro a ser protocolado junto ao Ministério Público em Aracati”, disse Ulisses Batista, um dos cooperados.

Várias imagens (fotos e vídeos) constatando declarações do presidente da CoopBuggy e cooperados foram enviados aos meios de comunicação de Aracati e publicados nas redes sociais, e pelas imagens nota-se que o clima de tensão realmente predomina entre as duas entidades prestadoras de serviço de buggy turismo.

Turistas passam por constrangimento

Os vídeos entregues a Promotora de Justiça Virgínia Navarro, mostram alguns casos de perseguição e até mesmo uma lamentável cena onde associados da ABCQ aparecem cercando um bugre da cooperativa, no referido vídeo aparece um grupo de turistas, uma delas chega a passar mal devido ao clima tenso gerado pelos insultos, discussões e até impedimento de seguir passeio. A turista diz que “está se sentindo mal” e tem dificuldades para sair do veículo meio à confusão, ela aparece no vídeo recebendo amparo pelo advogado Michel Rayol representante da CoopBuggy que pergunta “se eles estão se sentindo em cárcere privado”, e após recebido confirmação que “sim”, o grupo segue até a Unidade de Segurança Integrada – USI – Aracati para registrar a queixa crime.
Ação junto a justiça

Com intuito de tentar dar um basta na situação, o MP poderá agendar para a próxima semana uma audiência convidando o dr. Eudes Félix (Delegado Regional de Policia Civil), Beto Andrade (presidente da ABCQ), Ulisses Batista (presidente - CoopBuggy), Ivan Silvério (prefeito municipal), advogados das duas entidades e juiz de direito.
A promotora de justiça de Aracati Virginia Navarro mandou recolher o veículo Hilux pertencente a um agente da Guarda Municipal de Aracati. A Hilux de propriedade do servidor municipal teria sido locado através de acordo entre prefeito e presidente da ABCQ. pelo valor R$ 4.000,00 (quatro mil reais) para efetuar blitz sobre as dunas de Canoa Quebrada


Entenda o caso

No dia 25/06 após registrar boletim de ocorrência por ameaça de morte, o presidente da Associação dos Bugueiros da Praia de Canoa Quebrada, em Aracati (Litoral Leste), Beto Andrade, disse temer pela vida dele e de um guarda municipal que também estaria marcado para morrer. Conforme matéria publicada no jornal O POVO, ligações anônimas ameaçaram Beto e o guarda, que não teve o nome divulgado. A execução dos dois custaria R$ 3 mil. A Polícia segue investigando o caso.  

Beto Andrade explica que são 60 bugues credenciados na praia e seis que funcionam por concessão. No entanto, cerca de 15 bugueiros piratas atuam no local, apesar da fiscalização ser realizada três vezes na semana.

O bugueiro Reginaldo Costa, 38, trabalha há 18 anos com passeios turísticos. Ele diz que, em 2002, eram três as cooperativas de bugueiros em Canoa Quebrada, mas, desde 2010, quando uma lei municipal regulamentou o trabalho, existe uma associação com o objetivo de organizar a atividade.

Por Sandro Guimarães
jornalista MTb/CE 3040 
Fotos: Recebidas pelo whatssap

Um comentário:

  1. O Presidente da Coopbuggycanoa é não é Ulisses Batista e sim Cristovam Colombo. Ulisses é apenas cooperado.

    ResponderExcluir