sábado, 27 de fevereiro de 2016

Morte de estudante pode estar associada à bactéria do caranguejo, diz infectologista

A morte de Ariana da Silva Fernandes, 32 anos, estudante do curso de Petróleo e Gás do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), levantou suspeitas sobre o consumo de caranguejo em restaurantes e bares do litoral. A jovem faleceu na madrugada desta sexta-feira (26), em um leito de UTI do Hospital Maternidade Almeida Castro. Ela começou a passar mal no último domingo (21), em Tibau, no litoral da Costa Branca.

Segundo informações de pessoas próximas da jovem, Ariane começou a se sentir mal após consumir caranguejo em uma das barracas da Praia do Ceará. Familiares trouxeram ela para uma
avaliação em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Mossoró. Após ser medicada e liberada, a jovem sentiu-se novamente mal e foi levada às pressas para o Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM), onde sofreu uma parada cardiorrespiratória, foi transferida para um dos leitos de UTI regulados no Hospital Almeida Castro, ficando em uma área isolada, falecendo na madrugada de hoje.

O velório de Ariana foi realizado no Centro de Velório Geraldo Xavier, localizado por trás do Museu, de Mossoró. O sepultamento estava prestivo para às 17h de hoje (26), no Cemitério Novo, na BR – 304.

Suspeitas

O portal MOSSORÓ HOJE entrou em contato com o médico e professor de infectologia da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Fabiano Rodrigues, que realizou o atendimento a estudante. Ele conta que Ariana possuia todos os sintomas da bactéria Vibrio Vulnificus, presente em frutos do mar. Esse tipo de infecção, ressalta Fabiano, se dá pelo mal preparo do alimento, principalmente em caranguejos, ostras e mariscos. Em alguns casos, a bactéria pode levar indivíduos ao óbito em poucos dias.

“Ela chegou ao hospital com hipotermia grave e sofreu um choque séptico. Todos os sintomas apresentados durante o atendimento apontam para essa infecção proveniente da bactéria do crustáceo, mas, ainda não temos a certeza já que apenas o resultado dos exames pode esclarecer essa dúvida e afirmar com clareza qual as causas da morte”, ressalta o médico.

Para o professor, cuidados durante o tratamento dos crustáceos podem evitar esse tipo de contaminação. Ele ressalta que o consumidor deve ficar atento e verificar sempre a preparação antes de consumir.

“Esse tipo de fiscalização sempre é importante. Analisar bem o caranguejo ainda quando estiver vivo e ter a confiança de que o prato foi bem preparado, pois são procedimentos simples que podem minimizar os riscos”, finaliza Fabiano.

Nota de pesar

O diretor-geral do IFRN – Campus Mossoró, Jailton Barbosa dos Santos, emitiu nota lamentando o falecimento da estudante. Confira:

Foi com grande consternação que recebemos, nesta manhã (26), a confirmação do falecimento da aluna Ariana da Silva Fernandes. Uma fatalidade que, segundo informações, ainda não se sabe, ao certo, a causa da morte.

Os que compõem esta instituição de ensino se sentem profundamente consternados com a perda, inesperada, da estudante Ariana da Silva Fernandes.

Ariana Fernandes iria se formar no dia 19 de maio do ano vigente. A imagem da jovem cheia de vida, extrovertida e dedicada, e que adorava cantar, ficará marcado para sempre na lembrança dos que puderam compartilhar um pouco do dia a dia de Ariana.


Fonte: Mossoró Hoje

Nenhum comentário:

Postar um comentário