domingo, 19 de junho de 2016

Machado cita Eunício Oliveira entre beneficiários de R$ 40 milhões da JBS

Dizendo não saber se a empresa obteve alguma vantagem com o repasse, o delator afirma que repasse ajudou a reconduzir Michel Temer à presidência do PMDB

Em delação premiada, o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, relatou acordo entre PT, PMDB e a JBS para repasses de até R$ 40 milhões da empresa para a bancada peemedebista no Senado. Dizendo não saber se a empresa obteve alguma vantagem com o repasse, o delator cita inclusive o cearense Eunício Oliveira (PMDB) entre os
beneficiários.

"O depoente ouviu de diversos senadores nas reuniões na casa de Renan (Calheiros, presidente do Senado) que o grupo JBS iria fazer doações ao PMDB, a pedido do PT, na ordem de R$ 40 milhões", diz a delação. Machado não diz se os recursos seriam ilegais, mas fala que o repasse ajudou a reconduzir Michel Temer (PMDB) à presidência nacional do PMDB.

Segundo Machado, os recursos iriam para diversos senadores da sigla, entre eles Renan Calheiros (AL), Jader Barbalho (PA), Romero Jucá (RR), Vital do Rêgo (PB), Eduardo Braga (AM), Edison Lobão (MA), Valdir Raupp (RO), Roberto Requião (PR) e Eunício Oliveira.

Eunício disse, em nota, que não recebeu doações e sua campanha eleitoral foi aprovada.  “Não recebi doações eleitorais intermediadas pelo PT em 2014 como diz ter ouvido falar, por intermédio de terceiros, o delator Sérgio Machado. O PT foi meu principal adversário naquele pleito. Não mantenho contato com o delator desde o início dos anos 2000.Todas as doações para a minha companha foram contabilizadas na forma exigida pela legislação vigente à época, assim como foram aprovadas pela Justiça eleitoral”.

Delação premiada

Depoimento integra a delação premiada de Sérgio Machado, que teve o sigilo levantado nesta terça-feira, 14, pelo ministro Teori Zavascki (STF). Machado diz que todos os políticos citados por ele "sabiam do funcionamento do esquema de corrupção" e que "embora a palavra propina não fosse dita, esses políticos sabiam" que o recurso viria de contratos da Transpetro.

Machado relata inclusive que a doação aos senadores teria provocado críticas da bancada do partido na Câmara. Ao saberem dos repasses, deputados teriam inclusive se queixado ao hoje presidente em exercício Michel Temer.
Em nota, o PMDB rejeitou as acusações de Sérgio Machado e alega que "sempre arrecadou recursos seguindo os parâmetros legais".

“O PMDB sempre arrecadou recursos seguindo os parâmetros legais em vigência no país. Doações de empresas eram permitidas e perfeitamente de acordo com as normas da Justiça Eleitoral nas eleições citadas. Em todos esses anos, após fiscalização e análise acurada do Tribunal Superior Eleitoral, todas as contas do PMDB foram aprovadas não sendo encontrado nenhum indício de irregularidade”, diz o texto.

Redação O POVO Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário