segunda-feira, 11 de julho de 2016

A água que faz falta no Ceará.

Até dezembro o açude Castanhão entrará seu em volume morto, totalmente sem água para liberar. 
Nesta segunda feira (11/07) estive em Sítio Baixas e segundo um funcionário da obra visando encontrar o precioso líquido da vida, "desde o dia 12 de junho estamos perfurando poços, o primeiro, deu pouca água a 40 metros e só dá pra quebrar um galho. Já este daí (foto) hoje está a 104 metros de profundidade e não tem sinal de
água", disse.

PROBLEMA GENERALIZADO.

Já em outra localidade, na comunidade de Baixio, pela CE 040, já fui duas vezes em menos de trinta dias. Água por lá só através de muitas reclamações dos moradores por carros pipa. Aliás, essa é a realidade em todas as localidades do município de Aracati.

Como medida paliativa "alguns homens da comunidade cavaram um poço em um terreno particular, onde a água não serve pra beber (por enquanto), e serve para humanos e animais que muitas vezes se misturam e tomam banho juntos, pois os animais também precisam viver", disse uma moradora.

FALTA DE PLANEJAMENTO E EXCESSO DE GANÂNCIA

Ninguém atentou para outro detalhe; aqui na região, no início da década de 2000, foram construídos inúmeros viveiros de camarão e mesmo alertados por educadores e técnicos ambientais sobre o risco e gravidade da doença do camarão, foram muitas as disputas políticas e judiciais no sentido de tentar frear o avanço da atividade, mas tudo em vão.

Apesar do alerta, a febre dos viveiros se fez aproximar às localidades ricas em mananciais de água doce como; Cumbe e Morrinhos, onde haviam; plenas condições de ampliar estações de tratamento de água, mas, os empresários do setor foram mais fortes e conseguiram muitas liberações, inclusive com cartas de anuência da prefeitura.


Hoje, com o problema considerado um caos devido a estiagem que assola o estado do Ceará, o solo do município está repleto de enormes buracos improdutivos para a perfuração de poços, onde a probabilidade de encontrar o líquido precioso também enfrenta a escassez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário