sábado, 17 de dezembro de 2016

Aracati. Requiscat in pace, Ivamus administrationis. Descanse em paz, administração Ivamos.

Caio Rocha é professor e escritor
FOTO: Arquivo Pessoal
Faltam 14 dias para o encerramento do governo Ivan Silvério e diga-se de passagem ele termina em clima de morbidez como nunca antes testemunhado. Nem nos derradeiros dias da gestão Expedito se viu tamanha rejeição a um prefeito eleito com ampla maioria dos votos, vale ressaltar. Seria um ato de desonestidade intelectual de minha parte se não reconhecesse alguns avanços em certas áreas de administração pública como educação e ação social quando tomamos como referência os anos de 2005 até 2012, tanto que o município ganhou recentemente um selo Unicef mas o conjunto da sua obra foi desastroso. 

Pode-se atribuir este fracasso a uma soma de fatores:

1. Ter colocado parentes seus em cargos importantes.
2. Não implementou um código de ética para servidores públicos efetivos e
contratados
3. Não ter afastado com rapidez secretários envolvidos em escândalos de corrupção.
4. Não exigiu com firmeza de sua equipe resultados de gestão. A área de infraestrutura nada avançou e são inúmeras as obras inacabadas no Aracati o que comprova a ineficiência ou nulidade de planejamento administrativo.
5. Fez da gestão um mero cabide de empregos que lhe garantiu governabilidade no legislativo.
6. Não cortou gastos supérfluos com combustíveis, aluguéis de carros e casas.


A qualidade de vida do aracatiense foi prejudicada por este clientelismo político e isso tem uma origem: o fato da prefeitura ser a principal fonte geradora de empregos. Torço para que um dia ninguém tenha que depender de favores políticos pra ter uma vida com dignidade e conforto e isso perpassa pela geração privada de postos de trabalho por meio de um processo de industrialização local.

Por Caio Ferreira Rocha
Professor

Nenhum comentário:

Postar um comentário