sábado, 8 de julho de 2017

Atividade física é necessária para evitar deformações da chikungunya, mas com moderação

Especialista em medicina esportiva alerta que doença pode causar deformidades e deixar sequelas, por isso é preciso trabalho físico
Diante da epidemia de chikungunya, muitas pessoas têm ficado em dúvida sobre iniciar ou retomar atividades físicas interrompidas pela dor da doença. O ortopedista Miguel Morais, especialista em medicina esportiva, explica que as
dores nos músculos causados pela doença podem durar até cinco anos e, dependendo da fase, pode até causar deformidades.

> Leia também: “Quem Mata o Mosquito”, reportagem especial do Tribuna do Ceará.

O especialista, em entrevista ao Jornal Jangadeiro da TV Jangadeiro/SBT, recomenda as atividades físicas, mas nada muito intenso somente para alongar, relaxar e diminuir a dor.

Desde janeiro de 2017, quase 39 mil casos de chikungunya foram confirmados no Ceará. O número já supera o registrado durante todo o ano de 2016.

Os dados da chikungunya são assustadores. 90 municípios do Ceará apresentam altas incidências de casos notificados. O último boletim da Secretaria de Saúde apontou que em todo o estado, desde o início do ano até a semana passada, já são 38.959 casos confirmados da doença e 33 mortes. As idades onde a doença é mais comum é de 20 a 59 anos.
FONTE: Tribuna do Ceará

Nenhum comentário:

Postar um comentário