terça-feira, 1 de agosto de 2017

Filho da terra dos Bons Ventos expõe na cidade maravilhosa!

Cada indivíduo haverá de encontrar, dentro de si, o caudal hereditário que foi formando

através de suas próprias gerações. Haverá de descobri-lo, por exemplo, ao sentir uma
acentuada vocação por determinada ciência, arte ou
profissão. A facilidade que encontre ao encarar estudos e as ideias que auxiliam sua compreensão, enquanto se
encaminha para o pleno domínio do conhecimento a que aspira, serão demonstrações claras de que nisso opera a herança de si mesmo.

Cada um é o que é, conforme o quis e - salvo nos casos em que aparecem males irreparáveis - será aquilo que se proponha ser, mas pela única via possível: o
conhecimento.

Os bens do conhecimento não podem ser herdados pela ignorância. Daí que seja necessário ativar o campo das próprias possibilidades, para que a herança se manifeste onde se lhe ofereça a oportunidade de fazê-lo.
(Carlos Bernardo González Pecotche)

A longa citação anterior se faz necessária para tentar, não sei se conseguir, retratar um pouco deste artista plural.

Aracati, a Terra dos Bons Ventos é pródiga na arte de formar artistas, alguns muito famosos, outros nem tantos, muitos totalmente desconhecidos, nem por isso menores nas suas expressões.

Ton Zaranza, facilmente insere-se nestes que não contentes com a dimensão raiz, voa com a dimensão daqueles que possuem asas firmes e sai em busca de horizontes.

Não posso afirmar que o artista tenha lido o famoso Fernão Capelo Gaivota, mas vive como o personagem de Richard Bach.

Em sua genética traz símbolos biológicos de dois dos mais inteligentes filhos desse chão, o pai, o saudoso Ray Pereira, o idealizador, o que viveu de acordo com os sonhos e os transformou em realidade quando achou que devia. A mãe Theresa Zaranza, a educadora, aquela que possui na alma a essência do servir através da educação.

O antes menino e hoje artista herdou do pai o desejo de fazer, criar, inovar, produzir; da mãe mais do que o sobrenome herdou a ternura de compor e a harmonia da delicadeza.

E assim partiu, a terra dos Bons Ventos pareceu-lhe (e era) pequena, foi a cidade maravilhosa encontrar-se com as artes, as Belas Artes, e agora para nossa felicidade após alguns trabalhos realiza sua esperada exposição e a batiza de "frágil" ( ficou do dia 06 a 28 de Julho no Centro Cultural Light  - Pequena Galeria na Avenida Marechal Floriano, 168 - centro do Rio de Janeiro).

A exposição "frágil" é em memória a Euzébio Sloccowick, um representativo nome das artes visuais de Alagoas que precocemente morreu em Junho de 2016. O artista fez sua carreira no estado do Ceará, onde certamente Ton Zaranza, bebeu da fonte. Euzébio dizia: "Nasci artista, quando a arte escolhe, não tem jeito", certamente esta sabedoria adequa-se perfeitamente ao aracatiense Ton Zaranza.

O filho da terra dos Bons Ventos que voou para a cidade maravilhosa diz que essa exposição é "uma reflexão sobre a masculinidade em metáfora à imagem e natureza dos espinhos."

Sejamos acompanhantes dessa história, alguns chegam e passam como verdadeiros cometas deixando um rastro de luz, outros costumam chegar e fincar raízes, ainda que em alguns casos com asas grandes e brilhantes para permitirem vôos mais longos e mais rápidos.

Que os nossos olhares estejam voltados para Ton Zaranza, está nascendo um novo artista vindo da Terra de Dragão do Mar.

Compilado de Web Rádio do Bem

Nenhum comentário:

Postar um comentário