quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Comando da PM no Rio de Janeiro compactuando com o crime organizado?!

Foto Net
UOL Notícias
Ouvi um áudio comentado pelo Jornalista Ricardo Boechat passando a informação que; "Governador e secretário de segurança pública do Rio de Janeiro não controlam a polícia militar que tem em seus comandos milicianos pactuados com o crime organizado". Segundo Boechat em seu
programa de rádio, o problema não terá solução para este governo e pelo visto o caso terá que ser resolvido a partir das próximas eleições dependendo de quem esteja no governo". Ou seja, o que a população poderia achar que não tem mais como piorar, agora é dormir com um barulho desse ou então que apareçam gestores públicos com coragem de mudar esse quadro.

É claro que as afirmações do jornalista não foram criados pela sua intelectualidade ou algum tipo de sensacionalismo. Boechat fez o comentário com base nas informações do Ministro da Justiça Torquato Jardim ao fazer um diagnóstico apocalíptico pelo qual vive a segurança pública no Rio de Janeiro. O Ministro, em sua fala chegou a afirmar que; "o governador Luiz Fernando Pezão, e o secretário de segurança estadual Roberto Sá não controlam a PM, pois existe um acerto com deputado estadual e o crime organizado". Mais grave ainda a afirmação de que "Comandantes de Batalhão são sócios do crime organizado no Rio"...

O Ministro da Justiça disse acreditar que a morte de um Coronel no Rio não foi assalto como informam e sim um assassinato, uma execução de um oficial crivado por dezenas de balas.

Torquato acredita ainda que o Governo Federal precisa intervir junto as forças armadas, a Força Nacional de Segurança, a Polícia Federal é a Polícia Rodoviária, vai atenuar os problemas, mas, a "virada da curva ficará para 2019 com outro Presidente e outro governador pois, com o atual governo será impossível".

Será que a população aguenta até lá? Será que esse câncer social é incurável? E agora José!!!! Qualquer semelhança com o filme "Tropa de Elite 2, o inimigo agora é outro" não parece ser uma mera coincidência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário