quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Liberdade de imprensa ou factóides oficializados?

IMAGEM ILUSTRACAO /ADF.ORG
Com a informação de que o presidente eleito Jair Messias Bolsonaro ao declarar que; "vai respeitar a liberdade de imprensa, mas irá cortar verbas de publicidade de emissoras e jornais que costumeiramente lançam denúncias infundadas e sem provas", muitos do
meio jornalístico empresarial recorreram às instituições que os representam (ABI, ABERT etc) lançaram notas choramingando "atitudes" dos órgãos de comunicação que se tome providências.

Ora ora! O novo presidente está mais do que correto. Sou  jornalista (MTE/CE 3040) e tenho me envergonhado desse tipo de "liberdade de imprensa", quando o objetivo é produzir material com intuito de denegrir, caluniar e difamar, muitas vezes sendo uma fonte oficial de fake News. Imprensa no Brasil está longe de ser imparcial. Boa parte da grande mídia lançam factóides para manipular a opinião pública, e o maior interesse nesse tipo de jornalismo é chantagear e até extorquir prefeitos, governadores e seus secretários, presidente da república e seus ministros. No caso dessa matéria publicada pelo O Povo, dá impressão de que o problema de Bolsonaro com a Família de SP foi apenas no caso da "servidora fantasma", mas esquecem que na reta final das eleições no segundo turno o "Folha de São Paulo" publicou o pior das fakes em um veículo de comunicação quando atribuiu ao grupo de coordenação de campanha do candidato do PSL a prática de caixa 2 onde o jornal afirmava "atraves de denúncias comprovadas sobre empresários pagarem através de contratos cerca de R$ 12.000,00 para impulsionar Fake News pelo whatsapp".

O Presidente está corretíssimo, pois se vai combater a corrupção através das  negociatas em troca de favores políticos, tem que fazer o mesmo em todas as outras áreas, incusive no jornalismo sem credibilidade. 

Outra coisa é preciso lembrar que, novo governo novas medidas e não vejo nada de novo na política brasileira quando os governos decidem onde e como investir em campanhas publicitárias através dos inúmeros órgãos de imprensa.

Sandro B. Guimarães
MTE CE/ n° 3040

Nenhum comentário:

Postar um comentário